• Sabina Deweik

A Permissão para SER HUMANO

Atualizado: 6 de Mai de 2020



Recentemente fui assistir a uma palestra sobre a Ciência da Felicidade com o professor israelense Tal Ben Shahar, famoso por ministrar o curso mais popular e concorrido da história de Harvard. PhD em Comportamento Organizacional, formado em Filosofia e Psicologia Positiva pela Harvard, Tal é um sujeito franzino, com jeitão tímido e nem de perto tem a aura do que poderíamos imaginar de um superstar. É em sua simplicidade e na simplicidade extraordinária de sua fala e das práticas que ele ensina, que encontrei lágrimas correndo pelos meus olhos. Afinal pensem comigo, o extraordinário contém a palavra ordinário. Começo então pelo fim: nossa felicidade é cotidiana — uma prática diária de escolhas em direção a essa sensação de bem-estar.

Porém segundo o professor, foi em sua própria infelicidade que encontrou a grande virada de sua vida. Ainda cursando o segundo ano em ciências da computação como estudante em Harvard, Tal era bem-sucedido, tirava boas notas e garantia momentos de prazer com atividades como o squash. Mas a sensação interna era de infelicidade. Foi então que decidiu cursar filosofia e psicologia positiva numa busca pessoal, perseguindo a pergunta: Como posso me Tornar Mais Feliz? Como posso levar mais felicidade e bem-estar as pessoas?

Vamos a prática. Nesse texto vou falar sobre a primeira lição de felicidade; a PERMISSÃO PARA SERMOS HUMANOS. Como assim? Quando rejeitamos as emoções que consideramos mais dolorosas como medo, raiva, tristeza, frustração, essa emoção se intensifica. Aí reside o grande paradoxo: para que essas emoções se diluam, é preciso deixar que elas fluam, reconhece-las. Temos apenas, um único sistema emocional portanto quando bloqueamos nossas emoções consideradas “ruins”, estamos imediatamente bloqueando também nossa capacidade de amar, de sentir alegria.

Há um dado curioso de pesquisas que diz que a maioria das mulheres não se permite sentir raiva já que essa, é considerada uma emoção pouco feminina. E a pergunta que vêm na sequência é: qual o preço que muitas mulheres vêm pagando por não se permitirem simplesmente sentir essa emoção? Então qual o segredo? Deixe que suas emoções fluam, falando sobre elas, escrevendo sobre elas, chorando. Apenas deixar essa emoção existir. “Quando nos permitimos que nossa infelicidade penetre, permitimos também que a felicidade também aconteça”, diz o professor.

E você, quanto está se permitindo SER HUMANO?


Originally published at https://joanamadia.com on December 3, 2018.